Ansiedade

3 posts

Livros lidos em 2020

Mantendo a tradição por aqui, segue a relação de livros lidos ao longo do ano, com alguns comentários sobre os títulos que mais me chamaram a atenção.

10% mais feliz
Dan Harris

Esse é o tipo caso de “não julgue pela capa”. Nesse ano, como muita gente que enfrentou o isolamento e outros dilemas decorrentes da pandemia, lidei com situações de transtorno de ansiedade e ataque de pânico. Sem demorar muito, busquei ajuda na psicoterapia e na psiquiatria e já estou significativamente melhor, mas não sem antes ficar obcecado por vídeos e livros que abordassem a questão e me ajudassem a entender objetivamente o que são essas condições. Dan Harris é um repórter nacionalmente conhecido nos EUA pelo seu trabalho no Good Morning America, e começa esse livro narrando um ataque de pânico que teve ao vivo, em rede nacional. Ao longo do texto o autor vai desmistificando o tema, enfatizando sempre que o seu ponto de vista inicial para as soluções que ele aponta como eficientes era de ceticismo. 10% feliz foi uma grata descoberta e sem dúvidas me ajudou decisivamente a encontrar um caminho de compreensão e convivência com a ansiedade.

Querida Konbini
Sayaka Murata

Há pelo menos 4 anos estou bem obcecado pelos livros de Murakami, a ponto de ter lido pouca coisa diferente da obra do escritor japonês. Aliando o incômodo com a falta de diversidade nas minhas leituras à curiosidade por outras histórias ambientadas no Japão e o desejo de aumentar a presença de autoras femininas entre as minhas leituras, decidi buscar conhecer escritoras japonesas contemporâneas. Foi como cheguei a Sayaka Murata e o seu Querida Kombini, que focaliza a protagonista Keiko Furukura, dessituada por, entre outras questões, aos 36 continuar no mesmo trabalho da juventude e ainda não ter se encaminhado na vida. Uma grata surpresa que me levou motivou a continuar na busca por outras autoras do país de Murakami.

Quinquilharias Nakano
Hiromi Kawakami

Práticas inovadoras na formação de professores
Marli André

No início desse ano, após trabalhar com docência por 11 anos ininterruptos, saí de sala de aula para trabalhar na formação continuada docente em História, na Secretaria Municipal de Educação de Natal. Hora de buscar referências para o novo trabalho.

Homens sem mulheres
Haruki Murakami

* * *

Desde 2016 venho listando as minhas leituras anuais. Veja que livros foram lidos por aqui em anos anteriores: 2019, 2018, 2017, 2016.

Todos esses compilados anuais estão reunidos aqui.

Bicicleta e Steven Gerrard

Hoje acordei consideravelmente bem após alguns dias lidando com uma forte ansiedade. Levantei disposto para organizar as minhas contas e saí para dar um passeio de bicicleta, coisa que desde o início do isolamento eu vim protelando.

Foi um exercício excelente ter saído para pedalar. A princípio a minha ideia era dar algumas voltas pelos quarteirões mais próximos aqui de casa, mas durante o percurso decidi ir até Ponta Negra, mas especificamente até a praça do disco voador. No caminho, perto da minha antiga morada na Rua Praia de Simbaúma encontrei Tiago, amigo de infância. Ele estava com uma banquinha na praça vendendo macaxeira e feijão verde. O cumprimentei da bicicleta e combinei de passar lá algum dia.

Ontem à noite consegui dormir bem. Estava com a musculatura dos braços e ombros muito tensa e fiquei com receio de ter dificuldades para pegar no sono. Pouco antes de me entregar aos braços de Morfeu, assisti Make Us Dream, um documentário sobre a trajetória de Gerrard no Liverpool. Achei bem mediano. Acredito que os documentários sobre Michael Jordan e o Sunderland, que assisti recentemente subiram bastante a minha régua e fui com uma expectativa relativamente alta.

No geral, achei o filme mal escrito e mal montado. O material à disposição era riquíssimo. Muitas imagens da infância e adolescência de Steven G, sem falar nos registros mais recentes. Mas o documentário constrói uma narrativa muito frouxa sobre a vida do jogador. Basicamente uma ponte entre a final da Champions, em 2005 e o escorregão no jogo contra o Chelsea, mais à frente, que viria a comprometer o título da Premier League. Foi bacana ter acesso a informações de bastidores até então desconhecidas por mim, como o fato de ele ter estado prestes a se transferir do Liverpool para o Chelsea.

De volta à Florença renascentista

Imagem de divulgação do jogo Assassins Creed II (Ubisoft)

No último domingo voltei a jogar Assassin’s Creed II. Eu havia comprado uma cópia digital do jogo pouco depois de pegar o meu Xbox One, em 2016.

Antes de recomeçar o game da Ubisoft, procurei as estatísticas da primeira tentativa e vi que eu já tinha pouco mais de 7 horas de gameplay. Mesmo assim, optei por começar do zero mais uma vez. Além de não lembrar dos comandos, já estava esquecido dos principais elementos da narrativa.

Na realidade, a motivação para voltar ao jogo veio após ouvir, num Braincast, as impressões de Carlos Merigo sobre o Assassin’s Creed Origins, e sobre como o debute de Ézio na franquia continuava convincente. Fiquei realmente bastante empolgado após recomeçar. Mesmo considerando que os gráficos parecem ter envelhecido muito rápido após cerca de 9 anos de lançamento e constatando que algumas mecânicas são bem repetitivas, a narrativa do jogo é muito cativante.

Acredito que desisti durante a primeira tentativa por ainda não estar tão acostumado aos controles analógicos de jogos em terceira pessoa. À época eu havia recém comprado meu Xbox One e quando tive o 360, joguei muito pouco. Dessa forma, faltava-me habilidade e segurança para encarar os controles dos videogames modernos. Esses dois anos de imersão nos game trouxeram-me mais segurança e destreza, de modo a ter bem mais facilidade para encarar desafios que o jogo propõe, nessa nova investida.

Também penso que a ansiedade para jogar o máximo de títulos possíveis num curto intervalo de tempo tenha me feito pular de um jogo para outro, me levando a abandonar vários gameplays iniciados. Penso que controlei melhor essa ansiedade. Tenho comprado menos jogos e aceitado olhar com mais atenção para a grande biblioteca que acumulo no console da Microsoft. Inclusive outros títulos da série da Ubi: Assassin’s Creed III e Brotherhood.

Tenho constatado que os jogos em terceira pessoa costumam me cativar mais. Desde que voltei a ter uma rotina gamer, a partir do segundo semestre de 2016, os games que têm me dado vontade de continuar e me prendido pela imersão, têm essa premissa.: Watch Dogs, GTA V, Zelda Breath of The Wild e o próprio ACII.

Cheguei a tentar jogar novamente Fallout 4, mas a experiência em primeira pessoa não tem me atraído tanto.